WASHINGTON, "O CORAÇÃO VALENTE", VOLTA AOS GRAMADOS COM 40 ANOS - PROLAB - Centro Diagnóstico Cardiológico

Notícias

WASHINGTON, “O CORAÇÃO VALENTE”, VOLTA AOS GRAMADOS COM 40 ANOS

Por: admin 09/09/2015 8:18

Washington, o “Coração Valente”, 40 anos, confirmou o convite para jogar a Copa da Amizade, a competição de veteranos do segundo semestre no Rio Grande do Sul. A data de estreia ainda não está definida.

O ex-atacante profissional e ídolo de grandes clubes do futebol nacional – dentre eles o Atlético-PR – defenderá a equipe Amigos do Pintado, de Faxinal do Soturno, na categoria 40 anos.

A assessoria de Washington, vereador em Caxias do Sul, garantiu que o ex-jogador enviou os dados de inscrição. A possibilidade de o Coração Valente atuar na cidade é de 80%, segundo assessores, e vai depender da agenda de Washington na data escolhida para a estreia.

Natural de Brasília (DF), Washington teve passagens de destaque por Caxias, Ponte Preta, Atlético-PR, Fluminense e São Paulo, além do futebol japonês, onde conquistou cinco títulos. Também tem em seu currículo a conquista de um Campeonato Brasileiro pelo Fluminense, em 2010, e um título gaúcho com o Inter, em 1997. O ex-centroavante defendeu ainda o Grêmio, em 1998, e a seleção brasileira, em 2001 e 2002.

SAÚDE A PROVA 

O Coração Valente ganhou esse apelido graças a uma trajetória marcada por alguns graves problemas de saúde. O primeiro problema foi diagnosticado em setembro de 1996. À época, o jogador tinha 21 anos e defendia o Caxias quando sofreu uma lesão no tornozelo que o afastou dos gramados por 40 dias. Nesse ínterim, perdeu 10 quilos, passou a sentir muita sede e a urinar mais do que o normal. Após uma série de exames, o jogador foi diagnosticado como portador de diabetes tipo 1. A doença fez com que o jogador passasse a se submeter a uma dieta controlada e a duas doses diárias de insulina.

Com constante acompanhamento médico, prosseguiu com sua carreira. Em 2002, seis anos após o diagnóstico de diabetes, Washington tinha 27 anos e defendia o Fenerbahçe da Turquia quando, durante treinamentos, passou a sentir ardência no peito. “Treinei dois dias sentindo uma queimação no peito. Sábado jogamos, fiz gol, mas a queimação continuava. Domingo descansamos; no treino de segunda ela voltou e na terça apareceu uma dor no braço”, relatou o atacante. Washington realizou uma série de testes ergométricos que mostraram anomalias no batimento cardíaco e, imediatamente, o jogador foi submetido a uma cirurgia angioplástica para desobstruir uma de suas artérias coronárias, que estava praticamente entupida pelo colesterol.

A cirurgia consistiu na implantação de um stent — uma minúscula válvula de aço cirúrgico — na artéria, para dilatá-la, fazendo o sangue voltar a circular. O fato de o atacante ter entrado em campo sentindo as dores no peito representou um risco à sua vida. Nas palavras do cardiologista argentino Constantino Costantini: “Ele correu um grande risco. Estava prestes a ter uma parada do músculo cardíaco”. Em outras palavras, Washington estava à beira de sofrer um infarto.

O atleta desligou-se do Fenerbahçe e retornou para o Brasil, onde, em 2003, acertou com o Atlético-PR. Entretanto, exames médicos realizados antes da assinatura com o clube detectaram indícios de reobstrução da artéria. Washington foi submetido a nova intervenção cirúrgica, em que dois novos stents foram implantados, esses revestidos de rapamicina, substância que age contra a reobstrução das artérias.

Com a diabetes e as cirurgias cardíacas, durante sua carreira Washington teve de se submeter, anualmente, a exames específicos, distintos dos aplicados aos demais atletas, que comprovassem a sua aptidão para a prática futebolística. Além, o atacante era obrigado a informar constantemente às confederações de futebol e comissões anti-doping sobre suas medicações.

Mesmo com todos esses problemas, mesmo aconselhado a largar o futebol, ele voltou a jogar. Em 2004, no Atlético-PR, marcou 34 gols no Brasileirão e atingiu o recorde de maior número de gols marcados em uma só edição da competição nacional.

Em maio deste ano, após queda do Caxias para a Divisão de Acesso, Washington deixou o cargo de vice-presidente do clube da Serra gaúcha. Atualmente, ele é vereador pelo PDT em Caxias do Sul.

– Ainda não tem data definida para a estreia, mas ele já está inscrito na Afuvesma (Associação de Futebol de Veteranos de Santa Maria) – garante o presidente da equipe Amigos do Pintado, Vilson Bonadimann, o Pintado, de Faxinal do Soturno.

Fonte: Zero Hora

Washington é a prova viva de que não há limites para a vontade, mesmo que nosso corpo queira impô-los. Venha para PROLAB e nos deixe cuidar do seu amigo do peito!

Voltar para Notícias